Em comunicado divulgado pelo Governo timorense, o Parlamento Nacional concluiu a primeira ronda de debates a respeito do Orçamento de Estado para 2011, com o orçamento a ser aprovado na generalidade com 43 votos a favor, 21 contra e 1 abstenção.

O debate foi considerado altamente produtivo, tendo contado com contribuições bem pensadas e construtivas da parte de todos os membros do Parlamento Nacional.

O Orçamento proposto de 985 milhões de dólares americanos é o maior até à data e compromete-se com investimentos significativos ao nível de Infra-estruturas e Capital Humano, os quais são necessários para desenvolver a nação e continuar a reduzir a pobreza, a qual já desceu 9% desde 2007, em resultado de gastos visados pelo Governo na ordem dos 1,4 mil milhões de dólares. Foram propostos dois Fundos Especiais, o Fundo de Infra-estruturas, abrangendo projectos plurianuais e outros projectos de grande dimensão e valor superior a um milhão de dólares, assim como 25 milhões de dólares para o Fundo de Desenvolvimento de Capital Humano.

Em 2011 o Fundo de Infra-estruturas irá possibilitar a continuação do projecto nacional de geração e distribuição de energia eléctrica nas centrais de Hera e Betano, com uma afectação de 166 milhões de dólares. O Programa dos ODMs para os sucos, que visa providenciar habitação, energia solar, água e saneamento, assim como outras pequenas obras de desenvolvimento social por todo o país, tem uma afectação de 65 milhões de dólares. O objectivo final deste programa é melhorar as condições de vida de mais de 55.000 famílias em áreas rurais até ao final de 2015.

Em 2011 terão início desenvolvimentos importantes na Costa Sul, com a afectação de mais de 30 milhões de dólares para o desenvolvimento da Indústria Petrolífera. O Programa de Desenvolvimento Descentralizado (PDD) irá continuar, com 15,5 milhões de dólares a nível de aldeias, sucos e sub-distritos, e 28,8 milhões a nível de distrito. Este programa continua a dinamizar os negócios locais e a prestar apoio às comunidades rurais.

O Fundo de Desenvolvimento de Capital Humano, com cerca de 25 milhões de dólares afectados para 2011, pretende investir no povo de Timor-Leste, de modo a assegurar formação técnica e profissional através de bolsas de estudo e de apoio a outros métodos de formação, garantindo que a nação possui o capital humano qualificado de que irá necessitar ao longo das próximas décadas.
O Secretário de Estado Ágio Pereira afirmou que “O espírito no qual foram realizados os debates sobre o Orçamento no Parlamento Nacional esta semana mostra a dedicação do nosso sentido colectivo de responsabilidade para com a nação, bem como a força do nosso desejo de desenvolver Timor-Leste em prol do nosso povo. Nos últimos anos fizemos progressos, estando agora prestes a iniciar um período alargado de crescimento económico que irá registar uma grande descida no nível de pobreza e um aumento bem-vindo na qualidade de vida dos nossos cidadãos. Acolhemos verdadeiramente a ideia de Adeus Conflito, Bem-vindo Desenvolvimento e recuperámos um sentimento de crença e de auto-confiança que nos será muito útil durante os próximos anos.”